Número de certificações LEED no primeiro quadrimestre de 2016 é o maior desde 2012 no Brasil

Architect showing new house project

Foram cerficados 73 novos projetos no período, além de concedidos oito Referencial GBC Brasil Casa.

O Green Building Council Brasil (GBC Brasil) concedeu 73 novas certificações LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) no primeiro quadrimestre de 2016, maior número desde 2012, quando foram contemplados 90 projetos. A entidade também certificou oito novos projetos Referencial GBC Brasil Casa.

“Nos anos de 2013, 2014 e 2015 tivemos, respectivamente, 71, 29 e 45 novos projetos LEED e Referencial GBC Brasil Casa. Já o mês de abril de 2016 registrou o recorde no número de novos projetos, sendo 33 registros LEED e dois registros Referencial GBC Brasil Casa somente em 30 dias”, assinala Felipe Faria, diretor executivo do GBC Brasil.

O LEED é uma certificação internacional que avalia projetos sob os critérios de eficiência e racionalização de recursos, atestando a sua sustentabilidade. Já o Referencial GBC Brasil Casa é uma certificação voltada especificamente ao setor residencial, desenvolvida desde 2011 para atestar o alto desempenho econômico, social e ambiental dos projetos.

Segundo uma pesquisa publicada no Relatório Mundial 2015 do World GBC, no Brasil, 36% dos profissionais e empresas de diversos setores da indústria da construção afirmam que, até 2018, mais de 60% de seus projetos serão verdes. “Na pesquisa anterior, divulgada em 2012, apenas 6% mencionaram esse comprometimento, tendo o ano de 2015 como horizonte”, acrescenta Faria.

“Há anos o conceito de construção sustentável deixou de ser tendência, e consolidou-se como uma transformação necessária, na qual devemos investir a todo momento na geração de oportunidades. Cabe às lideranças do setor trabalharem para estimular ainda mais a consciência do mercado sobre a importância da sustentabilidade nas construções do país – que está presente sobretudo no segmento corporativo, mas também nos projetos residenciais – e, ao mesmo tempo, incentivar o poder público a criar políticas de fomento à construção sustentável”, conclui o dirigente.

Fonte: PiniWeb

Anúncios

Inscrições terminam hoje: 2.053 vagas para Cursos de Formação Profissional

Ainda dá tempo!

A SEDU (Secretaria de Estado da Educação) está com as inscrições abertas para o processo seletivo dos Cursos Técnicos de Nível Médio.

As incrições encerram-se hoje às 23he59min. 

As vagas contemplam cursos como Administração, Informática, Logística, Meio Ambiente, Portos, Recursos Humanos, Rede de Computadores, Secretariado, Serviços Jurídicos, Tradução e Interpretação de Libras, Transações Imobiliárias e Vendas.

Quem pode participar?

O processo seletivo destina-se:
– aos candidatos que tenham concluído o Ensino Médio Regular, ou EJA/EM, inclusive CEEJA, em qualquer rede de ensino (Pública e Privada;
– aos candidatos concluintes do Ensino Médio Regular, da Educação Profissional Integrada ao Ensino Médio, ou da Educação de Jovens e Adultos. Serão admitidos candidatos que estejam cursando a 3ª série do Ensino Médio Regular, ou 3ª etapa de Educação de Jovens e Adultos, desde que assinem termo de compatibilidade de horário, no ato da matrícula.

Como realizar a inscrição?

As inscrições serão feitas exclusivamente por meio eletrônico, através do link INSCRIÇÕES CURSOS TÉCNICOS no site http://www.educacao.es.gov.br e para efetuar a inscrição é obrigatória a declaração do número do CPF (Cadastro de Pessoa Física), telefone e e-mail do candidato.

Clique aqui para acessar o link de inscrição.

Como será o processo seletivo?

Para efeito de classificação, será considerada a somatória resultante das notas de Língua Portuguesa e de Matemática, referente ao ano letivo de 2015, ou do último ano cursado pelo candidato, observando-se até duas casas decimais, sem arredondamentos. O cálculo será processado pelo sistema, a partir das notas registradas pelo candidato na ficha de inscrição e o resultado será a soma das duas disciplinas. Serão classificados para matrícula os candidatos com maior pontuação por ordem decrescente.

Locais, Cursos e Vagas

Clique aqui para visualizar quais cursos serão ofertados em cada município e as vagas correspondentes.

Antes de realizar a inscrição, leia atentamente o EDITAL do processo de seleção e verifique todos os itens.

Saiba mais em:

Site da SEDU

 

Desejamos sucesso e boa sorte!!

 

Mais de 100 cursos gratuitos para especialização profissional

Female students in class

 

De graça e sem sair de casa! Que tal dedicar um tempinho aos estudos e se qualificar ainda mais?

Já publicamos um post sobre cursos gratuitos voltados para a área de Engenharia e agora selecionamos mais de 100 opções de cursos para você turbinar o seu currículo e se aperfeiçoar em novas áreas.

Confira a seguir.

Instituto Tecnológico de Aeronáutica – ITA

Criado em 1950, o ITA é o instituto de ensino superior do Comando da Aeronáutica (COMAER), localizado no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Mantém cursos de graduação em engenharia (Aeronáutica, Civil-Aeronáutica, Eletrônica, Mecânica-Aeronáutica, Engenharia de Computação, Aeroespacial), especialização, extensão e pós-graduação stricto sensu (Mestrado, Mestrado Profissionalizante e Doutorado).

O ITA oferece cursos gratuitos através da plataforma COURSERA:

Introdução ao Controle de Sistemas
Controle Usando a Resposta em Frequência
Arquitetura de Software em Projetos Ágeis
Desenvolvimento Ágil com Padrões de Projeto
Projeto Final: Aplicativo para Web com Componente Gamificado
Princípios de Desenvolvimento Ágil de Software
Técnicas Avançadas para Projeto de Software
TDD – Desenvolvimento de Software Guiado por Testes
TDD – Desenvolvimento de Software Guiado por Testes

Confira mais informações clicando aqui.

UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas

A UNICAMP, Universidade Estadual de Campinas, é uma autarquia, autônoma em política educacional, com recursos orçamentários originados do Governo do Estado de São Paulo, no Brasil. Fundada em 1966, é uma instituição jovem, reconhecida nacional e internacionalmente por sua forte tradição no ensino em diversos níveis e em diversas áreas do conhecimento, em pesquisa de ponta, bem como em seus contatos e relações com a sociedade.

A UNICAMP oferece cursos gratuitos através da plataforma COURSERA:

Criando e publicando um aplicativo para iPhone e iPad na App Store
Como criar aplicativos com múltiplas telas para iPhone e iPad
Processamento Digital de Sinais – Amostragem
A complexidade sensível: Um paralelo entre videogames e arte
Como criar jogos 2D para iPhone e iPad
Como aprimorar e monetizar seu aplicativo para iOS e Apple Watch
O Empreendedorismo e as Competências do Empreendedor
Como criar um aplicativo para iPhone
Pluralidades em Português Brasileiro

Confirma mais informações clicando aqui.

Fundação Bradesco – Escol@ Virtual

A Escola Virtual é um portal de e-Learning dedicado a oferecer cursos a distância – via Internet e semipresenciais, à disposição de alunos, ex-alunos, educadores e funcionários da Fundação Bradesco, além de pessoas da comunidade que queiram obter uma nova especialização ou requalificação para o mercado de trabalho.

Estão disponíveis cursos online nas áreas de:

Administração
Análise de Balanços
Contabilidade Empresarial
Matemática Financeira com uso da HP12C

Aperfeiçoamento Comportamental
Administração e Planejamento de Finanças Pessoais
Aprendendo na Web
Atendimento ao Público
Comunicação Escrita
Currículo sem Segredo
De Acordo com o Novo Acordo
Dinâmicas e Testes na Seleção
Economia de Energia
Ensinando com a Web
Entrevista: Como encará-la!
Família+Segura na Internet
Introdução à Fotografia Digital
Organização pessoal
Postura e Imagem Profissional

Banco de Dados
Administrando e Armazenando Dados com SQL Server 2005
Modelagem de Dados
Projetando e Implementando Dados com SQL Server 2005

Desenvolvimento de Aplicativos
Análise Estruturada de Sistemas
Aplicações Java Mobile
Aplicações Windows Mobile
C++ – Desenvolvimento Orientado a Objeto
CMM – Sistema de Modelagem para Desenvolvimento de Software
Engenharia de Requisitos
Expression Blend
Fundamentos das Aplicações Móveis
HTML – Avançado
HTML – Básico
Ilustração & Design Gráfico para Web
Inovando com CSS
Introdução ao JavaScript
Lógica de Programação
Processo de Desenvolvimento de Software
Programação em C#
Revisões, Verificações e Inspeções
Silverlight
System Design Overview
Teste e Resolução de Problemas
WebDesign

Gestão e Governança
Estratégia de Negócios
Fundamentos de COBIT
Fundamentos de Governança de TI
Gestão de Estratégia – BSC
Gestão de Processos – BPM
Gestão de Projetos 01 – Como trabalhar com projetos?
Gestão de Projetos 02 – Como iniciar o trabalho com projetos?
Gestão de Projetos 03 – Como Planejar o Escopo, Prazo e Orçamento do Projeto?
Gestão de Projetos 04 – Como Planejar os demais aspectos do projeto?
Gestão de Projetos 05 – Como Executar, Monitorar, Controlar e Encerrar Projetos?
Gestão Estratégica de TI – ITIL

Informática
Internet Explorer 8.0
Internet Explorer 9.0
Introdução à Informática
Introdução a Redes de Computadores
Introdução ao e-Learning
Introdução ao Pacote Office 2007
Microsoft Access 2003 – Avançado
Microsoft Access 2003 – Básico
Microsoft Access 2003 – Intermediário
Microsoft Access 2007 – Avançado
Microsoft Access 2007 – Básico
Microsoft Excel 2007 – Avançado
Microsoft Excel 2007 – Básico
Microsoft Excel 2007 – Intermediário
Microsoft Excel 2010 – Avançado
Microsoft Excel 2010 – Básico
Microsoft Excel 2010 – Intermediário
Microsoft Office Outlook 2007
Microsoft Office Outlook 2010
Microsoft PowerPoint 2003 – Avançado
Microsoft PowerPoint 2003 – Básico
Microsoft PowerPoint 2007 – Avançado
Microsoft PowerPoint 2007 – Básico
Microsoft PowerPoint 2010 – Avançado
Microsoft PowerPoint 2010 – Básico
Microsoft Windows 7
Microsoft Windows Server 2003
Microsoft Windows XP
Microsoft Word 2007 – Avançado
Microsoft Word 2007 – Básico
Microsoft Word 2007 – Intermediário
Microsoft Word 2010 – Avançado
Microsoft Word 2010 – Básico
Microsoft Word 2010 – Intermediário
Segurança da Informação
TI na Educação

Para mais informações clique aqui.

Desejamos sucesso nos estudos!

Comissão do Senado aprova incentivos a práticas sustentáveis na construção civil

01greenroof.jpg

Projetos contemplados deverão prever medidas para melhorar o conforto térmico dos usuários e propiciar a redução do consumo de água e maior eficiência energética.

Foi aprovado na última terça-feira (10/05) o Projeto de Lei do Senado (PLS) 252/2015, que beneficia com incentivos fiscais a construção de imóveis que prevejam medidas para melhorar o conforto térmico dos usuários e propicie a redução do consumo de água e maior eficiência energética. A ação foi tomada na Comissão do Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). A proposta, agora, será analisada em Plenário.

Segundo o texto, a utilização de práticas sustentáveis de construção poderá ser incluída como diretriz da política urbana prevista no Estatuto das Cidades (Lei 10.257/2001). Para o projeto, as novas edificações de propriedade da União devem adotar medidas para a redução dos impactos ambientais, desde que que técnica e economicamente viáveis.

A proposta principal sugeria o uso de telhados verdes e de sistemas de aproveitamento de água de chuva. Entretanto, o relator do CMA, Jorge Viana (PT-AC), preferiu não apresentar exemplos das práticas de construção sustentável.
A medida é uma sugestão das então estudantes Ana Luiza Cabral Laet, Andrisley Kelly Pereira da Silva, Daniele Verza Marcon e Verônica Vicente Monteiro, na ocasião do Programa Senado Jovem Brasileiro 2013. A iniciativa seleciona estudantes de nível médio de escolas públicas para participar de uma simulação da atividade parlamentar no Senado.

Para acessar o PL 252/2015, clique aqui.

Fonte: Techne

Imagem: National Geographic

Setor de compras deve desempenhar função estratégica

equipe_compra_construcao_civil

Dentre os estágios estratégicos do desenvolvimento da função estão Orçamentos, Financeiro, Planejamento, Projetos, Controladoria, Contábil/ Fiscal, Marketing e Obras.

 

A função de compras tem papel determinante no ciclo de vida dos projetos. “Se considerarmos um fluxo de gestão das compras em consonância com as melhores práticas de gerenciamento de projetos do PMI – Project Management Institute –, vivenciaremos grupos de processos que vão do início, passando pelo planejamento, execução, monitoramento e controle, e encerramento. Assim como as outras nove áreas do conhecimento, segundo o PMI: escopo, custo, prazo, integração, qualidade, RH, riscos, partes interessadas e comunicação”, explica Rodrigo Sabino Fleury, professor do Curso de pós-graduação Gestão do Canteiro de Obras – Planejamento e Execução das Contratações, do núcleo de Engenharia do IMT – Instituto Mauá de Tecnologia.

Há, portanto, uma ligação importante do departamento de Compras com praticamente todas as áreas do conhecimento relacionadas ao projeto. “Como, por exemplo, escopo e área do conhecimento que descreve o que será feito – ou seja, todos os passos da obra. As construtoras cada vez mais se dão conta da importância de envolver os compradores na definição do escopo dos projetos. Isso acontece porque cabe a eles o conhecimento de detalhes como, disponibilidade de determinados produtos no mercado e possibilidade de variação de custos em detrimento de algum outro tipo de produto ou sistema construtivo, tratando assim de questões relacionadas aos riscos para aquela obra”, expõe Rodrigo.

Ainda na fase de planejamento, a função de compras é fundamental para definições relacionadas aos prazos das obras, também avaliando as demandas do mercado por meio de análises da cadeia de suprimentos. Cabe, inclusive, nortear os gestores de projetos, fazendo a compatibilização entre a qualidade requisitada pelo projeto e a gama de produtos existentes. Isso garante ao gerente melhores condições de cumprir com alguns princípios básicos da gestão, como, por exemplo, balancear as expectativas dos clientes, melhorar o desempenho físico e financeiro dos projetos e, consequentemente, trazer – cada vez mais – melhores resultados aos patrocinadores dos projetos ou proprietários das construtoras. Estes últimos são alguns dos chamados stakeholders, ou, “partes interessadas”, comenta Fleury.

De acordo com o professor, os estágios estratégicos do desenvolvimento da função de compras nas construtoras são:

1- ORÇAMENTOS

Há uma relação de feedback e follow-up mútua entre orçamentista e comprador. O comprador deve ser responsável por garantir a legitimidade dos valores constantes nos bancos de insumo das construtoras, valores estes que serão utilizados para a composição dos orçamentos de obras. Portanto, o orçamentista acompanha a atuação do comprador, verificando se as compras estão compatíveis com os valores orçados. Já o comprador avalia se os valores estão de acordo com o banco de dados dos insumos.

2- FINANCEIRO

O comprador deve estar sempre atento e alinhado com o budget. Ele tem a obrigação de tomar providências – quantas forem necessárias – para garantir equilíbrio econômico e financeiro ao portfólio de projetos. O gestor financeiro, por sua vez, dita ao comprador, através do fluxo de caixa, qual é a disponibilidade de recursos para cada projeto.

3- PLANEJAMENTO

O planejador é o responsável por elaborar o cronograma da obra, definir a linha de base do prazo, fazer a projeção do desembolso para as obras, estimar a alocação dos recursos humanos e compilar os dados de aquisição de serviços e materiais. A relação entre planejador e comprador é muito importante para o sucesso dos projetos. É com o comprador que se verifica a condição do mercado, pelo menos, para os materiais ‘A’ da curva ABC, bem como o tempo médio de entrega, garantindo assim um cronograma de compras com um bom plano de resposta aos riscos e com estratégias bem definidas.

4-PROJETOS

O plano de resposta aos riscos relacionados a compras para os materiais ‘A’ pode ser, eventualmente, a substituição do material ou sistema construtivo. Para garantir boas condições nessa prática, deve haver um alinhamento entre comprador e projetista, pré-estabelecendo medidas de contingência eficientes.

5-CONTROLADORIA

É o departamento responsável por avaliar os processos e garantir que estes ocorram de forma adequada e transparente, resultando em governança corporativa, o que atrai investidores. Cabe ao comprador documentar os processos e divulgar os resultados de forma transparente, facilitando uma eventual auditoria societária contratada por investidores interessados.

6- CONTÁBIL/ FISCAL

Hoje em dia o comprador deve estar muito alinhado com o departamento contábil/fiscal. A inobservância da legislação pode trazer grandes prejuízos. Exemplo disso é uma compra de piso cerâmico feita em outro estado – diretamente com o fabricante e em condições muito boas –, que pode se tornar um negócio ruim, caso o orçamentista não tenha levado em consideração o ICMS.

7- MARKETING

A relação entre comprador e departamento de Marketing deve compreender a graduação de qualidade das obras que estão sendo vendidas, para que o estudo das alternativas seja compatível à graduação do empreendimento – alto luxo ou supereconômico.

8- OBRAS

O gestor da obra é o responsável por atualizar o comprador em relação às suas necessidades. Fará o monitoramento e controle e será fundamental no processo de avaliação formal dos fornecedores. O comprador deverá utilizar os histogramas de mão de obra e materiais da obra para atualizar as informações de controle do banco de dados de insumos.

Dificuldades do comprador

Na opinião de Fleury existem algumas dificuldades principais ao exercer a função de comprador. Veja quais são elas:
1- A grande quantidade de pedidos sem tempo hábil para um bom processo de negociação e compra
2- Requisições com especificações erradas ou incompletas
3- Pouco acesso às informações estratégicas da organização
4- Demora no envio de propostas e baixa qualidade de atendimento por parte dos fornecedores
5- Falta de tempo para fazer uma avaliação detalhada no desenvolvimento de novos fornecedores
6- Impossibilidade de negociação presencial

FORNECEDORES

A escolha do fornecedor é uma das funções mais importantes no processo da compra. “É muito comum ouvirmos falar em tirar referências dos fornecedores com outras empresas, ou até solicitar indicações. Porém, essa não é de fato a melhor prática para escolher um fornecedor. “Para a escolha ideal é fundamental avaliar a sua capacidade técnica, financeira, histórico de desempenho, jurídica e contábil/fiscal”, afirma Sabino.

Segundo Fleury, na avaliação técnica é necessário verificar se o fornecedor tem os produtos ou serviços que atendam as especificações da obra. “Além disso, vale exercitar outros critérios: fazer visita técnica ao fornecedor, fábricas, redes de distribuição e escritórios; avaliar se o fornecedor tem algum certificado de qualidade ou se está se preparando para tal, submeter amostras dos produtos a ensaios e solicitar acervo técnico com atestado de capacitação técnica”, elenca.

Já na avaliação financeira, é preciso solicitar documentos que comprovem a saúde financeira do fornecedor, faturamento anual, balanço etc. Fazer levantamento das certidões negativas do fornecedor, INSS, FGTS, tributos, e verificar se há demanda trabalhista contra ele – se houver, avaliar a proporção de um eventual passivo trabalhista. “Por fim, na avaliação jurídica e contábil-fiscal, recomenda-se checar o contrato social, CNPJ, inscrição municipal, inscrição estadual e situação tributária da empresa”, comenta o professor. E completa: “Deve-se evitar fornecedores com preços milagrosos, pois, invariavelmente, há problemas ocultos, e empresas que ofertam produtos de segmentos muito diferentes. Certamente eles tentarão fidelizar o comprador pela praticidade e, consequentemente, venderão alguns ou muitos itens de seu portfólio a preços pouco ou nada competitivos”, explica o professor.

A função de compras desempenha um papel cada vez mais importante em ajudar as corporações a alcançarem seus objetivos de aumento de lucratividade e economias de custo. “Com um departamento de compras que atue estrategicamente, torna-se inerente às atividades de gestão um processo de melhoria contínua em busca de novas modalidades de compra e contratação e, também, de novos tipos de materiais e sistemas construtivos”, diz Sabino.

Fonte: AeCWeb

Justiça permite que arquitetos assinem projetos de instalação de energia elétrica de baixa tensão

arquitetos_projeto_eletrico_baixa_tensao

O juiz Clécio Brachi concedeu mandado de segurança coletivo ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo (CAU/SP), de modo a assegurar o direito de arquitetos e urbanistas de assinarem projetos de instalação de energia elétrica de baixa tensão.

Braschi, que em janeiro já havia deferido o pedido de concessão de medida liminar do conselho, para que a Bandeirante Energia não recusasse os projetos assinados por arquitetos e urbanistas, registrou:

“Resolvo o mérito nos termos do artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil, por julgar procedente o pedido, ratificar integralmente a decisão em que deferida a liminar e conceder a segurança, a fim de determinar à autoridade impetrada que não recuse a elaboração e execução de projetos de instalações de baixa tensão, por arquitetos e urbanistas, enquanto não for editada a resolução conjunta de que trata o 4º do artigo 3º da Lei 12.378/2010”.

Ao mandado de segurança, confirmado pela Justiça de 1ª instância, ainda cabe recurso.

Matéria publicada em 22/03/2016: Revista Arquitetura e Urbanismo

Aneel vai licitar 6,5 mil km de linhas de transmissão em Abril

Electric power lines

Leilão inclui 20 estados brasileiros e deve arrecadar cerca de R$ 12 bilhões

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai licitar 6,5 mil km de linhas de transmissão em Abril. O pregão está previsto para o dia 13, na sede da BM&FBOVESPA, em São Paulo. O edital do Leilão n° 13/2015 foi aprovado na última terça-feira (23) pela diretoria colegiada da Aneel, na 5ª Reunião Pública Ordinária.

Após a análise das contribuições recebidas e as reuniões de avaliação com o Ministério de Minas e Energia (MME), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e o Operador Nacional do Sistema (ONS), a Aneel retirou parte de alguns lotes e reestruturação de outros, o que culminou na divisão do certame em duas etapas.

A primeira delas, prevista para Abril, é constituída da licitação de 26 lotes de empreendimentos localizados nos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Goiás, Espirito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins.

Tais instalações devem entrar em operação comercial no prazo de 36 a 60 meses após a data de assinatura dos contratos de concessão. A soma das Receitas Anuais Permitidas (RAP) máximas dos 24 lotes é de R$ 25 milhões, e o concessionário vencedor terá direito ao seu recebimento por 30 anos da RAP pela prestação de serviço.

Os lotes da etapa inicial do leilão serão licitados individual e sequencialmente, com exceção doa Lotes H/I e K/L, que poderão ser arrematados em conjunto, de modo a formar os Lotes HI e KL.

Com os leilões, espera-se investimentos na ordem de R$ 12,2 bilhões e geração de 27.640 empregos diretos. A implantação de, aproximadamente, 6,5 mil km de linhas de transmissão devem gerar 10.560 MVA em capacidade de subestações.

Fonte: Infraestrutura Urbana